Mentha aquatica L., missão antipoluição

Foco Botânico
menthe_full_screen.jpg

Conhecida pelas suas propriedades terapêuticas e aromáticas, a Menta acompanha a humanidade desde a Antiguidade. Os arqueólogos encontraram, de facto, folhas de menta secas em sepulturas egípcias datadas do século I a.C. Os assírios e os babilónios utilizavam-na para facilitar a digestão, os hebreus faziam óleo de menta para o corpo. Quanto aos gregos, proibiam-na aos soldados porque era considerada um afrodisíaco! Depois de negligenciada no ocidente, a menta regressou à nossa farmacopeia a partir do século XVIII. Desde então, tornou-se uma de plantas mais utilizadas na indústria farmacêutica e cosmética.

champdementhe01_carre.jpg

Mentha aquatica L.

Brava, mourisca, da montanha, spearmint, pimenta ou manjericão, os botânicos registaram mais de 70 variedades de menta. Originária do sul da Europa, a Mentha aquática é uma planta de zonas húmidas que cresce particularmente junto de lagos, ribeiros e rios. A Menta aquática, também conhecida como “hortelã-dos-ribeiros” ou “hortelã-da-água”, caracteriza-se pelos caules estriados e aveludados, pontuados por folhas ovais de margens dentadas, de 4 a 8 centímetros de comprimento e cor verde-pálido, muitas vezes tingidas de violeta. Existente em todos os continentes, esta planta vivaz da família das lamiáceas floresce nos nossos terrenos entre julho e outubro, enfeitando-se então com uma quantidade de pequenas flores de cinco pétalas, formando no topo um bonito bouquet arredondado, cuja cor varia entre o branco e o roxo. Os Laboratórios Klorane interessaram-se pela menta aquática - Mentha aquatica L. - pela sua grande riqueza em mentol e polifenóis, com ação antioxidante e anti-inflamatória comprovada, e estudaram a suas propriedades de despoluição.

Ação de despoluição XXL

A prestigiada Universidade Tsinghua, na China, reconhecida pelo seu trabalho no âmbito das problemáticas ambientais e ecológicas, revelou recentemente as capacidades de despoluição da Mentha aquatica L. em água doce contaminada. Partindo dessa descoberta, o Laboratório de Química bio-inspirada e de Inovações ecológicas do CNRS (Montpellier, França), dirigido por F Claude Grizon, especializado na investigação sobre a fitodespoluição, realizou, com o apoio da Klorane Botanical Foundation, uma experiência para testar a ação de despoluição da Menta num local de Saint-Laurent-le-Minier, no coração de Cévennes, região de Gard. A bacia mineira foi explorada desde a época galo-romana, tendo sido encerrada há 27 anos. As águas desse local permanecem contaminadas por metais pesados. Com o apoio da Klorane Botanical Foundation, o Laboratório instalou no local um dispositivo de filtração dos efluentes contaminados utilizando as capacidades de despoluição naturais da Mentha aquatica L., antes da sua descarga para o rio.

O dispositivo atua a 2 níveis: a montante são instaladas colunas filtrantes contendo pó da raiz da Menta aquática, para recolha dos efluentes das minas e purificação da água contaminada. Em seguida, a Menta aquática foi plantada na bacia para que a água pudesse ser novamente filtrada antes de chegar ao rio, graças às raízes vivas. Para encher as colunas, as raízes de Menta são submetidas a secagem e depois moídas, e atuam como um filtro para reter os metais pesados. Esses filtros são regularmente limpos, e os metais que contêm são reciclados para reutilização pela indústria.

Um ciclo de despoluição completo e completamente natural. E formidavelmente eficaz! Em alguns meses, as amostras recolhidas mostram uma despoluição completa das águas a jusante. A luta continua, para restituir a este magnífico local, adorado pelos caminhantes e pelas famílias, toda a sua pureza.

kl_lifestyle_photo_girl_feb2

A Menta aquática em socorro do couro cabeludo poluído

Partindo dessa eficácia de despoluição da Natureza, os botânicos da Klorane estudaram a ação de despoluição da Mentha aquatica L. sobre o couro cabeludo.

Porque a poluição atua a vários níveis sobre o organismo e sobre o cabelo. Quando vivemos na cidade, os agentes poluentes, como o ozono, depositam-se sobre a cabeça e sufocam o couro cabeludo. A curto prazo, são responsáveis por aquela impressão de ter o cabelo “em baixo”. A longo prazo, sob o efeito da poluição, combinada com outras agressões frequentemente presentes na nossa vida urbana, como o tabaco e o stress, o couro cabeludo enfraquece e já não consegue apresentar um cabelo bonito e saudável.

E os resultados obtidos com a Menta aquática no couro cabeludo e no cabelo sujeitos à poluição urbana são igualmente eficazes: couro cabeludo desintoxicado, cabelos protegidos, cabelo arejado e refrescado, eficácia antipoluição comprovada.

Optámos por cultivar a Menta aquática nos nossos terrenos, no sudoeste da França, através do processo de agricultura biológica. A Mentha aquatica L. é em seguida congelada para preservar toda a sua frescura. Depois, por extração termomecânica, um método de extração sem solventes baseado na química verde, obtemos um extrato puro de Menta aquática, a partir do qual é produzida uma gama para o cuidado do cabelo, especialmente concebida para acalmar o cabelo e couro cabeludo agredidos pela poluição.